Economia

Evento debate a necessidade de retomada da atividade econômica em maior velocidade

Em Congresso da Abrasel, secretário Carlos Da Costa destaca a importância dos protocolos de retomada, criados em parceria com o Sebrae, para a reabertura segura de diversos setores

As ações do governo para a retomada do setor de bares e restaurantes no período pós-pandemia foram o tema do encontro realizado na tarde de quinta-feira (27), durante o segundo dia de programação do 32° Congresso Abrasel. As sugestões de como conduzir a reabertura de forma segura foram apresentadas pelo secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, a partir de provocações do diretor Geral da Ticket Edenred, Felipe Gomes. Este ano, o evento acontece em ambiente digital, em decorrência das determinações de distanciamento social.

Da Costa abriu o diálogo ressaltando que as pessoas devem se acostumar a frequentar lugares físicos novamente, assim como os bares e restaurantes. “É importante manter o devido distanciamento, preservar a nossa saúde e confiar no cidadão, que é o maior responsável pela própria segurança. É o momento de voltarmos ao trabalho, de forma segura”, afirmou.

Entre os esforços do Governo Federal no enfrentamento da pandemia da COVID-19, que têm o objetivo de preservar vidas e empregos, o secretário destacou ações como o auxílio emergencial, a medida provisória 936, que permite acordos de redução de jornada e salário ou suspensão de contrato de trabalho e ajuda na preservação de empregos, e as iniciativas de crédito para ajudar o setor produtivo. “Aprendemos que é possível ser ágil e fazer muito, mesmo em um curto espaço de tempo, desde que haja senso de urgência, visão compartilhada, diálogo e vontade de fazer. Agora, precisamos estabelecer uma agenda pós-pandemia e dar continuidade ao que estava sendo feito, pois o primeiro trimestre de 2020 estava sendo muito positivo. Agora precisamos ir além e forma mais ágil, resolver problemas de crédito, digitalização e qualificação, entre outros”, ressaltou.

Em sua fala, Gomes destacou que a Ticket Edenred acredita no país e que os programas assistenciais têm ajudado muito as empresas, inclusive os microempreendedores, e evidenciam os esforços do Governo Federal para recuperar o Brasil e fazer com que ele prospere. O diretor fez uma série de provocações para o representante da Sepec, que nortearam a apresentação de propostas para o crescimento do setor. Ele questionou a respeito do ambiente de novos negócios e a redução de custos para que o bares e restaurantes possam trabalhar e ajudar na retomada.

“O que salva as empresas é o cliente. Para isso, precisamos convencer todos os entes subnacionais de que já é hora de abrir com um pouco mais de velocidade, confiar na consciência das pessoas para que elas mantenham o distanciamento e adotem práticas que as protejam. Criamos, juntamente com o Sebrae protocolos para a reabertura de praticamente todos os segmentos da economia onde há preponderância de pequenas empresas. Essa é uma ferramenta importante para mostrar aos prefeitos que existem evidências e protocolos para um retorno seguro”, argumentou Da Costa.

Para finalizar, ele abordou as iniciativas para a redução de custos de pequenas empresas. Entre elas a desoneração da mão de obra, o choque da construção civil e a diminuição dos gastos com energia elétrica, com a previsão de aprovação na Câmara dos Deputados do PL do Gás e o marco regulatório do setor elétrico.