Empreendedorismo

Presidente do Sebrae e o Grupo Mulheres do Brasil discutem parceria

Presidente do Sebrae participou de reunião com a empresária Luiza Trajano, para discutir a inserção da mulher nos pequenos negócios

 

 

O Sebrae considera essencial fomentar o empreendedorismo feminino para que as mulheres possam aumentar seus rendimentos, gerar empregos, ter sustentabilidade no mercado e, sobretudo, ser independentes e protagonistas de suas vidas. Essa foi a visão do presidente do Sebrae, João Henrique de Almeida Sousa, apresentada em almoço com Luiza Trajano, empresária e presidente do Grupo Mulheres do Brasil, realizado nesta terça-feira (12), em Brasília.
 
“As mulheres são mais da metade da população brasileira. 104 milhões de mulheres estudam, trabalham, são mães, filhas, esposas, funcionárias, empresárias e empreendedoras – pessoas que buscam e merecem conquistar um lugar digno e justo na sociedade. Nós, do Grupo Mulheres do Brasil, queremos estimular o protagonismo feminino e ativar talentos por meio de parcerias”, comenta Luiza. Para o presidente do Sebrae, a união da instituição com o grupo pretende viabilizar o atendimento e o incentivo do empreendedorismo feminino no Brasil. “É um dever do Sebrae contribuir com conhecimento, conteúdo, capacitação e metodologia para promover a atuação dessas mulheres nos pequenos negócios. A inclusão produtiva das mulheres no empreendedorismo favorece a melhoria dos aspectos sociais, educacionais e indicadores de saúde tanto das empreendedoras quanto de suas famílias”, complementa João Henrique. 
 
De acordo com a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM 2018), as mulheres respondem por 48% dos empreendimentos iniciais e, na média, são mais escolarizadas. Porém, empresas lideradas por mulheres tendem a faturar menos e ser menos intensivas em inovação. Ainda segundo a GEM 2018, o sexo feminino apresenta menor proporção em relação aos homens no grupo dos empreendimentos estabelecidos (43%). Essa diferença aponta que o impulso inicial para empreender é semelhante, porém, as mulheres enfrentam maiores dificuldades para fazer seus empreendimentos prosperarem.
 
“Existe uma correlação positiva entre maior produtividade econômica da mulher, principalmente empresárias, e o crescimento econômico de um país. O sexo feminino representa cerca de metade da população mundial e sua participação econômica como empreendedora, tende a produzir efeito multiplicador no crescimento econômico da sociedade”, pondera João Henrique de Almeida Sousa. O diretor técnico do Sebrae, Vinicius Lages, também esteve presente ao encontro e comentou sobre a importância do investimento na área e o comprometimento da instituição em abraçar a causa. “A partir desta parceria, o Sebrae assume a responsabilidade de potencializar a atuação da instituição incorporando às ações de reconhecimento outras atividades como capacitação e acesso a mercados e inovação”, comentou o diretor.
 
Sebrae pelas mulheres
Em 2018, o Sebrae assinou sua adesão à Carta dos Princípios do Empoderamento Feminino, movimento internacional liderado pelas Nações Unidas, no qual empresas se comprometem a promover políticas pró-equidade de gênero no trabalho. A Carta é composta por 7 compromissos que tratam desde a promoção de equidade salarial ao estabelecimento de indicadores de gênero nas atividades da empresa para mensuração do progresso atingido.
 
Grupo Mulheres do Brasil
O Grupo Mulheres do Brasil é uma rede suprapartidária fundada pela empresária Luiza Trajano. A rede foi criada em outubro de 2013, por 40 mulheres executivas, de diferentes segmentos, com o intuito de engajar a sociedade civil na conquista de melhorias para o país, tendo como uma das principais causas o Empreendedorismo Feminino, que valoriza o papel da mulher empreendedora na sociedade e abertura de oportunidades de negócios e práticas sustentáveis.
 
A rede soma mais de 16 mil mulheres de diferentes classes sociais e profissões. Em núcleos instalados no Brasil e Portugal, o Grupo Mulheres do Brasil é organizado em subgrupos com ações nas áreas de educação, saúde, empreendedorismo, combate à violência contra a mulher, igualdade racial, políticas públicas, entre outros temas.