Curitiba

Sebrae/PR lança programa de incentivo ao empreendedorismo feminino

Encontro no Dia Internacional da Mulher foi o primeiro evento da iniciativa que envolve atividades voltadas, exclusivamente, para empreendedoras

Cerca de 170 empreendedoras participaram do lançamento do Sebrae Mulher, realizado nesta quinta-feira (08), no Encontro da Amazônia, em Curitiba. Direcionado ao público feminino, o programa tem quatro etapas com duração anual. São várias atividades voltadas exclusivamente às mulheres, com objetivo de desenvolver habilidades, fomentar negócios e aumentar a competitividade dos pequenos negócios. 

A palestra as Sete Armadilhas do Empreendedorismo Feminino, com a jornalista, psicóloga e coach Priscilla de Sá, marcou a primeira etapa. “Uma característica destas armadilhas é que são basicamente comportamentais, porque a motivação da mulher para empreender está atrelada a questões pessoais, mais especificamente, à maternidade, que corresponde a 70% dos casos”, comentou.   

A primeira dica para quem quer mudar de ramo é não empreender pela motivação inadequada. Revanchismo, baixa autoestima, acaso, insatisfação pessoal e problemas afetivos não são bons conselheiros para se começar um negócio. “Procure razões que te tragam satisfação para colocar um novo plano em prática”, disse. A segunda observação da coach é não pensar pequeno. “É possível começar pequeno, mas muitas vezes o esforço que se faz para se manter é o mesmo necessário para crescer. Tudo que não melhora, fatalmente, vai piorar. Fuja do comodismo e não deixe de pensar na escalabilidade do seu negócio”, reforçou. 

Outra observação refere-se a aversão das pessoas a números. “Se quer ser dona do seu próprio dinheiro, jamais entregue o controle a terceiros. Fique de olho porque os números são um termômetro que revela como vai a saúde da sua empresa e que reflete a sua longevidade”, apontou. A quarta dica é cuidado com a sociedade afetiva. “Não se associe e não contrate ninguém pelo coração ou por afinidade, mas pela razão, avaliando competências e complementaridade. E esteja sempre vigilante à prestação de contas”, ensinou. 

Uma razão essencial para ser bem-sucedida é não empreender sem preparo. “Administração e gestão não são intuitivas, é preciso ter conhecimento da rotina operacional, de estratégia, RH e marketing o suficiente para cobrar quem está trabalhando com você”, orientou. Na visão da especialista, a sexta armadilha envolve o microgerenciamento, ou seja, aprender a delegar funções. “Desapegue da ideia de que tudo precisa ser feito do seu jeito e por você, fuja do manual de procedimento. Abra sua mente para o novo, se reinvente e não faça o que outra pessoa pode fazer por você. Mas, cobre e estabeleça prazos e nível de qualidade”, disse. 

Por último, Priscilla sugere evitar o isolamento. Segundo ela, há uma tendência grande das pessoas acharem que empreendedor é aquele que vira escravo do trabalho e não tem tempo para nada, precisa estar 24 horas em ação. “Faça networking, busque parcerias, permita-se estar sempre atento a ampliar sua rede de contatos porque aí pode estar seu próximo cliente, um novo fornecedor, projeto ou até uma possibilidade de ampliar seu negócio. Ache sua turma”, apontou. 

Ela também destacou comportamentos que levam uma empresa à longevidade. “Empresas exitosas em seus projetos tiveram acesso a três fatores fundamentais, que são acesso à informação, conteúdo profundo, organizado e detalhado de onde estão atuando; orientação, buscar informação com quem entende do seu ramo de atividade por meio de mentorias, consultorias ou com quem tem experiência e chegou lá para te mostrar o caminho; e rede de apoio, ter pessoas que você confia por perto. “É muito complicado querer fazer tudo sozinho e viver isolado. É preciso ter um ambiente rico e pessoas com quem trocar informações. Geralmente as mulheres são muito solitárias quando empreendem. Networking é fundamental para atingir o sucesso”, afirmou. 

Ao final, a palestrante apontou que a área de serviços é bastante promissora para o empreendedorismo feminino porque está no DNA da mulher saber lidar com gente. “É uma tendência. Enxergo, principalmente, segmentos ligados à beleza e ao mundo fit, como academias, cosméticos, área de estética e salões de beleza como grandes oportunidades porque não abrimos mão destes setores como consumidoras”, sinalizou. 

Para a coordenadora do programa em Curitiba, a consultora do Sebrae/PR, Juliana Bacila, as orientações da palestrante são importantes para as mulheres quem já têm empresa, mas desejam progredir na atividade. Segundo ela, dados da Pesquisa GEM revelam que mais de 50% das novas empresas brasileiras são projetos comandados por mulheres. “No Brasil há mais empreendedoras iniciantes do que na Alemanha e Estados Unidos. Por isso, mais importante do que saber o que fazer, é saber o que não fazer”, contou. 

O programa Sebrae Mulher é um estímulo que dará suporte e capacitação para a mulher sentir-se mais segura para empreender. A consultora explica que as etapas terão visitas técnicas, mentorias, oportunidades para ampliar o conhecimento e tratar de boas práticas de gestão e de tendências. “Uma forte característica do Sebrae Mulher é o networking. Por isso, teremos momentos específicos para ampliar a rede de contatos e firmar parcerias. Ao final, o programa vai mostrar que é possível ser bem sucedida e que não existe desigualdade. A mulher é capaz prosperar nos negócios”, resumiu. 

Joanice Boszcz, empreendedora de uma indústria de conservas e geleias de frutas em Contenda, Região Metropolitana de Curitiba, disse que as dicas valeram a pena. “Nossa empresa é familiar e agora sou eu que estou no comando administrativo. Muitas informações vão ajudar na questão da gestão. Já participo de alguns programas do Sebrae e acredito que as orientações serão bem úteis para eu seguir em frente”, relatou.

Já a empreendedora Ana Maria Santos, do setor de treinamentos, disse que a palestra esclareceu alguns mitos e agora ela sente-se mais segura para tocar em frente seus projetos. “Também aproveitei para fazer networking porque 90% das minhas clientes são mulheres. Já troquei vários cartões e estou vendo muitas oportunidades aqui”, declarou. 

Candidata a se tornar empreendedora no segundo semestre deste ano, Luana Barczyszyn, disse que está formatando um negócio e está em busca de informação e apoio para viabilizar sua ideia. “Sou fisioterapeuta autônoma, mas trabalho na área de estética e quero investir num empreendimento próprio. Vim aqui para aprender e entender mais sobre empreendedorismo e de que forma devo investir. Acho que estou levando boas dicas pra casa”, informou.

 

Assessoria de Imprensa
Savannah Comunicação Corporativa - empresa licitada do Sebrae/PR
Patrícia Gomes - (41) 98814-0721/ 3035-5669
Adriano Oltramari – Jornalista do Sebrae/PR - (41) 3330-5895
 

Tags: Sebrae/PR, Sebrae Mulher