Comércio

Dirigentes destacam importância do trabalho entre o Sebrae e a CACB

No encontro da Confederação das Associações Comerciais e Empresarias do Brasil, Carlos Melles ressaltou o trabalho das entidades regionalmente

O Simples Nacional e o empreendedorismo foram os principais assuntos tratados durante a 3ª reunião do Conselho Deliberativo da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), realizada em Brasília, nesta quinta-feira (7). O encerramento do evento contou com a participação do presidente do Sebrae, Carlos Melles, e dos diretores técnico, Bruno Quick, e de Administração e Finanças, Eduardo Diogo, que destacaram a importância da discussão dos dois temas e do trabalho conjunto entre as duas instituições.

Carlos Melles ressaltou que o Sebrae sempre trabalhou unido à Confederação e reconhece a força das associações comerciais que são formadas - em sua maioria - por donos de pequenos negócios, principalmente no interior do país. “Os comerciantes se transformam em profetas, são psicólogos, padres e até artistas, para poderem conquistar um cliente, o que não deixa de ser uma arte”, comparou o presidente do Sebrae. “Por isso, a relação do Sebrae com a CACB sempre foi pautada pela confiança mútua e pelo respeito”, acrescentou o Melles, colocando a instituição à disposição das associações comerciais.

Segundo o presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais, George Pinheiro, a reunião desta quinta-feira foi a primeira a ser realizada nas dependências do Congresso Nacional. Foi, segundo ele, uma forma de aproximar a entidade que dirige de deputados e senadores, principalmente daqueles que fazem parte da Frente Parlamentar Mista do Comércio, Serviços e Empreendedorismo. “Foi muito importante a reunião na Câmara para estabelecer essa relação com os parlamentares”, afirmou Pinheiro, que também classificou como importante o trabalho que sua instituição faz ao lado do Sebrae.

Oriundo da Associação Comercial de Minas Gerais, o diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick, lembrou que as entidades congregam diversos setores das economias regionais, como o comércio, a indústria e até a agropecuária. “As associações respeitam a liberdade empresarial”, observou Quick, se referindo ao fato de as instituições aceitarem todos os segmentos. “Vamos sempre trabalhar em parceria entre o Sebrae e a CACB”, acrescentou o diretor de Administração e Finanças, Eduardo Diogo, que também dirigiu a Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje).