Indústria

Inovação para o desenvolvimento é destaque no lançamento do 9º Congresso de Inovação na Indústria

Em prévia do evento, realizado pelo Sebrae e pela CNI, especialistas destacaram os desafios do Brasil no cenário global e como a inovação uniu o mundo durante a pandemia 

O lançamento do 9º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, que aconteceu nesta quarta-feira (20), foi marcado pela presença pelo cofundador da Apple, Steve Wozniak, engenheiro e programador, considerado uma das vozes mais inspiradoras da atualidade quando o assunto é tecnologia e inovação. Durante palestra que foi transmitida ao vivo pela internet, ele relembrou momentos do início da Apple ao lado de Steve Jobs, contou curiosidades sobre sua formação autodidata e principalmente, destacou como a inovação sempre fez parte da sua vida.

“Na época em que eu trabalhava como engenheiro de tevês, com os conhecimentos analógicos, eu coloquei cores nos monitores de computador. Não tinha livros que ensinassem tudo isso, mas eu sempre estive aberto a novas ideias, a novos modos de fazer as coisas e uma nova forma de pensar. Como eu posso fazer mais com menos peças? Era esse tipo de pensamento que eu tinha”, contou Wozniak. 

O cofundador da Apple definiu a inovação como algo que vai além das ideias, uma capacidade de transformá-las em algo concreto. Segundo ele, os fundadores das maiores empresas do mundo, como a Apple, Facebook e o Google saíram da faculdade atraídos pela possibilidade de desenvolver projetos e empreender de forma inovadora. “Eu queria fazer produto, eu não queria falar de ideias. Ideias são comuns. Em muitos lugares do mundo as mesmas ideias podem aparecer, mas quem consegue fazer um produto como fizemos com a Apple, é quando as coisas acontecem. As pessoas que eu mais respeito são as que conseguem - de fato - fazer com que a inovação se torne um produto ou algo que você possar usar” comentou. 

Preparação para 2022

O lançamento do 9º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, que é realizado pelo Sebrae e pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI), foi uma prévia do evento que acontece de forma híbrida, com transmissão online e espaço presencial, em São Paulo, nos dias 9 e 10 de março do ano que vem. 

Na abertura do lançamento, o presidente do Sebrae, Carlos Melles, destacou a grande expectativa para o evento de 2022. Segundo ele, esse será um momento para discutir inovações necessárias que seguem transformando a vida das pessoas. Como exemplo, ele destacou o caso do agronegócio, que evoluiu por meio do uso de tecnologias e fez com que o Brasil se tornasse uma potência mundial na agricultura. “Nosso próximo Congresso será inovador, não só pelo cenário da pandemia, mas pela imensa necessidade da inovação nos negócios. Sabemos o quanto o Brasil precisa de inovação e nossa missão é ser um instrumento para que isso aconteça”, declarou. 

Na ocasião, o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, pontuou a relevância da realização do Congresso no momento em que a sociedade convive com rápidas transformações trazidas pela quarta revolução industrial. “O acesso a informações qualificadas, e a interação com profissionais e diferentes atores de áreas estratégicas são fundamentais para o fortalecimento da cultura da inovação”, destacou.

O ministro substituto da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcelo Morales, que também participou da abertura do lançamento do Congresso ressaltou que o encontro é uma grande oportunidade para debater formas eficazes de unir cientistas com empresários, para que a inovação esteja cada vez mais presente no país. “A inovação tem revelado ser uma mola propulsora para a competitividade do Brasil, pois promove o desenvolvimento das nações e das organizações”, afirmou. 

A reinvenção do futuro já começou

Para colocar a inovação no centro do debate, a prévia do Congresso também contou com um time de especialistas para tratar analisar os desafios do Brasil no cenário global de inovação no contexto da pandemia. O primeiro painel contou com a presença do presidente do Conselho de Administração do Grupo Ultra, Pedro Wongtschowski; do membro do Conselho Administrativo da Klabin, Horácio Lafer Piva; do cofundador da Natura, Pedro Passos; da CEO e Diretora de Pesquisa da Ava Tech, Fernanda Checchinato e teve a moderação do CEO da Embraer-X, Daniel Moczydlower.

Durante o debate, eles destacaram a importância dos pequenos negócios inovadores, como as startups, no desenvolvimento da inovação nas grandes empresas. No segundo painel especialistas de cinco continentes compartilharam experiências de inovação durante a pandemia, como foi o caso do professor da Escola Mandela de Governança Pública da Universidade do Cabo, Carlos Lopes.

Também participaram do painel o representante no Brasil do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Morgan Doyle; o diretor da Agência de Ciência e Tecnologia do Japão (JST) nos EUA e membro do GFCC, Kazuyoshi Shimada; o diretor de Ciência e Tecnologia e Inovação da OCDE, Dirk Pilat. A moderação foi feita pela diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio.