Política Pública

Programa Cidade Empreendedora muda realidade dos municípios brasileiros

Iniciativa desenvolvida pelo Sebrae coleciona resultados positivos e ganha expansão nacional com estimativa de alcançar mais de mil cidades a partir deste ano

O Programa Cidade Empreendedora, desenvolvido pelo Sebrae com apoio de parceiros, tem transformado a realidade local de diversos municípios brasileiros por meio de ações estratégicas em prol do desenvolvimento econômico e social. Organizado em 10 eixos de atuação, o programa contempla diversas temáticas como desburocratização, empreendedorismo nas escolas, fortalecimento de lideranças locais, incentivo à criação de salas do empreendedor, inclusão produtiva, entre outras.

Somente neste ano, a estimativa é que mais 1.150 cidades façam parte do Cidade Empreendedora. O gestor do programa no Sebrae, Maurício Tedeschi, destaca que um dos grandes diferenciais da iniciativa é permitir que as linhas de atuação sejam adaptadas de acordo com o perfil, vocação e interesse de cada localidade. “O programa foi estruturado de forma abrangente para responder muito bem aos desafios que toda cidade enfrenta. Todas as ações apontam na direção da melhoria do ambiente de negócios, incentivo à atividade econômica e valorização das micro e pequenas empresas, o que contribui para geração de emprego e renda nos territórios”, ressaltou.

Mesmo diante da pandemia da Covid-19, muitos municípios estão conseguindo apresentar resultados bastante positivos com o programa. No estado de Santa Catarina, onde a iniciativa já teve a adesão de pelo menos 158 prefeituras ao longo dos últimos anos, o Cidade Empreendedora segue em ritmo de expansão. O programa oferece mais de 70 soluções e ferramentas para as prefeituras santa catarinenses, como a Sala do Empreendedor que além de prestação de serviços básicos de orientação empresarial também auxilia na tramitação de processos de regularização dos negócios.

Com o apoio do Sebrae, as prefeituras estruturaram e instalam o espaço e ainda oferecem capacitação dos atendentes. É o caso do município de Indaial que tem uma Sala do Empreendedor dentro da prefeitura. Entre janeiro e abril deste ano, foram quase 3.800 atendimentos tanto presenciais, com também por meio online, em sala digital criada durante a pandemia. O município ficou no topo da lista das salas de todo o país que mais atenderam no período. O local também disponibiliza, todos os meses, capacitações do Sebrae para os empreendedores em áreas como finanças e vendas por meio das redes sociais.

“Nós entendemos que a nossa sala deve ser a porta de entrada para o empreendedorismo no nosso município, então todo o cadastro de empresas passa pela sala do empreendedor”, explicou o agente de desenvolvimento da prefeitura, coordenador do local, Altair Simão. Segundo ele, os serviços oferecidos pelo espaço têm contribuído para que o município tenha se destacado no tempo necessário para a abertura de empresas. Em fevereiro, em média em um dia e 22 horas, foi possível abrir uma empresa na cidade.

Simão também destaca que durante a pandemia tem sido grande a procura pela Sala do Empreendedor. “As buscas por orientação aumentaram muito mais, principalmente por parte dos MEI, que são os mais carentes de informação e acesso à tecnologia na nossa cidade”, comentou. Ele também destaca que a Sala do Empreendedor tem mobilizado os donos de pequenos negócios para participarem das compras públicas por meio de licitações da prefeitura. “Criamos uma lista de transmissão no Whastapp e toda semana nós compartilhamos as informações que recebemos direto do setor de licitações do município nos grupos de empreendedores”, explicou. A iniciativa já rendeu mais de R$ 13 milhões em compras pela prefeitura de empresas de pequeno porte, micro empresas e MEI.

No Mato Grosso do Sul, o programa Cidade Empreendedora também continua conquistando cada vez mais adesões das prefeituras. A partir deste ano, o programa vai fazer parte da realidade de 21 municípios do estado. As cidades vão receber o acompanhamento do Sebrae por 15 meses com ações para transformação da economia local por meio do fortalecimento dos pequenos negócios. O estado já acumula experiências exitosas em vários municípios onde as prefeituras assinaram o compromisso de buscar o desenvolvimento das localidades com apoio do Sebrae.

É o caso de Maracaju que, sob nova gestão municipal, aderiu ao programa pela segunda vez. No final de maio deste ano, representantes da prefeitura e lideranças locais se reuniram para elaborar o Plano de Desenvolvimento Econômico que vai nortear as ações do Cidade Empreendedora no município. Desta vez, as ações terão como foco a retomada econômica, a partir de diferenciais competitivos na área do comércio e serviços, agricultura familiar, turismo e inovação.

A primeira experiência do programa na cidade, entre 2018 e 2019, mudou a vida dos pequenos agricultores locais com a adoção de soluções voltadas para o desenvolvimento da agroindústria. Por meio do Cidade Empreendedora, por exemplo, a comunidade quilombola de São Miguel, formada por 58 famílias, começou a enxergar o valor da agricultura familiar ao produzir mais de 50% dos alimentos para as escolas da cidade. Para a produtora rural Alziane Belmonte, que faz parte do quilombo, o apoio do Sebrae trouxe um conhecimento muito importante. “Aprendemos a trabalhar melhor nossa terra e conseguir mais lucro dela. Antes a gente plantava e não vendia nada. Às vezes vinha alguém e a gente dava, agora a gente aprendeu a colocar o preço na nossa produção”, contou.